Unidas somos mais fortes! Conheça mais sobre o Agosto Lilás

Unidas somos mais fortes! Conheça mais sobre o Agosto Lilás

Contribuir na luta contra à violência doméstica é um dever de todos nós. Todos os anos vemos estatísticas entristecedoras em relação a isso. Entretanto é importante estarmos juntos e não desistir de lutar por mais proteção às mulheres.

Informação é uma ferramenta importante nessa luta. Com isso, o Núcleo de Apoio Pedagógico e Inclusão (NAPI), coordenado pela Andréa di Pietro, desenvolveu a cartilha “Violência contra mulheres: informar para transformar”.

FAÇA O DOWNLOAD DA CARTILHA

Essa cartilha nasce no mesmo ano em que a Lei Maria da Penha completa 15 anos. Desde a sua sanção, a Lei tem sido um mecanismo importante para proteger mulheres que enfrentam diariamente a violência doméstica. E para aumentar a divulgação dela, foi criado o “Agosto Lilás”. Você conhece?

 

O que é o Agosto Lilás?

Agosto Lilás é o nome dado à campanha do mês de conscientização sobre o combate à violência contra a mulher. Essa campanha foi instituída pela Lei Estadual nº 4.969/2016, no estado do Mato Grosso do Sul, e busca aumentar a divulgação da Lei Maria da Penha. 

Além disso, também estão entre os objetivos da campanha informar a sociedade sobre a necessidade de acabar com a violência contra a mulher e tornar conhecidos os canais de denúncia existentes e os serviços de atendimento à mulher que vivencia a  violência.

 

15 anos da Lei Maria da Penha

No último dia 07, a Lei Maria da Penha (nº 11.340/2006) completou 15 anos de sanção. O principal objetivo dessa lei é criar mecanismos para prevenir e frear a violência doméstica e familiar sofrida por tantas mulheres em nosso país. 

O nome da Lei faz referência a Maria da Penha Maia Fernandes, que sofreu duas tentativas de feminicídio de seu marido. O caso aconteceu em 1983, mas apenas em 2006 virou lei, após muito trabalho de diversas instituições que apoiaram Maria da Penha.

Dentre as principais inovações da Lei Maria da Penha, o Conselho Nacional de Justiça apresenta os seguintes mecanismos da lei:

  • Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral;

  • Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual;

  • Determina que a mulher somente poderá renunciar à denúncia perante o juiz.

  • Ficam proibidas as penas pecuniárias (pagamento de multas ou cestas básicas), 

  • dentre outros.

 

Precisa de apoio? O UNIFAA te ajuda!

Aqui no UNIFAA, o Núcleo de Apoio Pedagógico e Inclusão (NAPI) está preparado para acolher nossas alunas que, infelizmente, vivem em situação de violência doméstica. O NAPI oferece atendimento psicológico e, a partir desse primeiro contato, alguns desdobramentos são possíveis, como: 

  • orientações gerais à vítima sobre como proceder, quais serviços procurar, como denunciar, etc;

  • encaminhamento ao serviço de Apoio Psicológico no Centro de Apoio Psicológico e Pedagógico (CAPP);

  • encaminhamento à Reitoria para abertura de processo disciplinar (caso a violência ocorra dentro dos campi do UNIFAA e o agressor também pertença à comunidade acadêmica).

 

Além do NAPI, você pode conseguir ajuda no Centro de Apoio Pedagógico e Psicológico (CAPP), no Community ou na Ouvidoria. Todas as informações de contato estão na nossa cartilha. 

 

Estamos unidas por um mundo

  • justo

  • livre

  • igual

 

Um basta a todo tipo de violência contra a mulher!

 

Faça parte desse movimento. Acesse e ecoe ainda mais a nossa voz: unidasportodas.com.br

 

 

Estude no melhor Centro Universitário do
Estado do Rio de Janeiro e transforme sua vida!

Seus dados foram enviados. Entraremos em contato em breve.

Falha ao enviar seus dados. Tente novamente.